Robert Smigel explica quem triunfa o insulto que o cachorro cômico não assa

0
56

Se você sempre quis assistir Triumph the Insult Comic Dog enfrentando “Weird” Al Yankovic, Rob Schneider e Caçador de Mitos Adam Savage, boas notícias: o comediante Robert Smigel, famoso por uma série de projetos, mas talvez mais conhecido como “a mão na bunda da Triumph”, acaba de lançar uma versão editada de Vamos fazer um cocôo game show ao vivo gravado no festival de comédia de São Francisco Sketchfest este ano.

Falando com Consequência por telefone, Smigel diz que embora não tivesse tanto controle sobre a gravação do programa quanto gostaria, “senti que foi o show mais divertido que fiz ao vivo em uns 20 anos. Se eu tivesse filmado com mais cuidado, poderia ter tentado vendê-lo em algum lugar – não achei que estivesse nesse formato, mas ainda acho que vale a pena compartilhar. Então decidi que iria compartilhá-lo gratuitamente no YouTube.”

Vamos fazer um cocô permite que a Triumph faça o que tem feito desde 1997 – desferir golpes brutais em uma ampla gama de circunstâncias, desde campanhas políticas da vida real para a fila para a estreia de Star Wars: Episódio II – Ataque dos Clones. Triumph apareceu em vários talk shows, bem como sua própria série; o show do Sketchfest se destaca, diz Smigel, “porque tinha essa dinâmica incomum de ter 'Weird' Al Yankovic lá e ter pessoas cantando suas supostas paródias de músicas. E tudo funcionou muito bem, ao vivo no palco. Tive um público muito interessante e me diverti muito, e Rob Schneider foi um alvo engraçado.”

Incluir Schneider no programa, diz Smigel, foi uma escolha que ele fez apesar do fato de que o SNL a política do ex-aluno mudou para a direita nos últimos anos. “Sempre sou a favor de colocar as pessoas, desde que não haja restrições para a Triumph”, diz ele. “Contanto que o Triumph possa rasgar a pessoa. E eu sinto que ataquei Rob muito bem. Esse é o ponto: as pessoas que você deseja são assuntos ricos.

Houve um show anterior do Sketchfest, acrescenta Smigel, onde havia convidados que ele queria apresentar “que eram de um tipo semelhante, e eles não os queriam. Eles simplesmente disseram, 'Não, o público vai ficar muito chateado.' Eu fico tipo, 'Você não entende. A questão toda é que vou atacar essa pessoa. E será muito satisfatório.'”

Smigel entende “por que as pessoas têm esse impulso. Tudo está tão intensificado agora, e as pessoas nem querem dar plataformas para… A palavra ‘normalizado’ é uma palavra muito popular agora.”

E há uma classe de pessoas, continua ele, “a quem eu não daria plataforma, nem mesmo para zombar. Pessoas que considero que são vigaristas e dizem coisas que nem necessariamente querem dizer – estão dizendo isso para cultivar um determinado público. Não achei que Rob se enquadrasse nessa categoria, mas há pessoas que se enquadram e eu não interagiria com elas, mesmo como Triumph. Eu diria: 'Não, não quero que você ganhe nada com isso. Não quero que você saia sentindo que recebeu exposição ou crédito por rir de si mesmo.



Fuente

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here